domingo, 19 de agosto de 2007

a busca da perfeição...

E ali estava eu, a andar de gaivota.
Tranquilamente pus a mão na água como se estivesse a acariciar um cobertor. Que sensação, a água fresca a correr na minha mão, por entre os meus dedos... Sensação da água que transmitia a frescura de uma extremidade do corpo para o corpo todo. Detive-me a olhar para os meus dedos. Tinha as unhas pintadas de vermelho carmim, a começar a perder a cor nas pontas por causa dos dias que iam passando. – Vou ter de as arranjar quando chegar a casa hoje à tarde – pensei. No entanto, debaixo do mar, tudo ganha outra forma. Os meus dedos parecem ficar mais estreitos, a minha pele empalidece um pouco mais, o meu verniz ficara de uma cor mais viva. A minha atenção virou-se para o brilho dos reflexos do sol no mar.

O mar... Essa força ambígua da natureza. Tanta beleza, mas tanta brutalidade. Por momentos pensei que no mundo também existem pessoas como o mar.
O mar... é perfeito.
E quando olho de novo para as minhas unhas, vejo que por muito que o ser humano se esforce para atingir a tão desejada – por Cesário Verde e por muitos de nós – "perfeição de todas as coisas", nada chega para equivaler à perfeição que é o mundo criado que nos rodeia.

terça-feira, 7 de agosto de 2007

10,000 Miles - Mary Chapin Carpenter

Fare thee well
My own true love
Farewell for a while
I’m going away
But I’ll be back
Though I go 10,000 miles

10,000 miles
My own true love
10,000 miles or more
The rocks may melt
And the seas may burn

If I should not return
Oh don’t you see
That lonesome dove
Sitting on an ivy tree
She’s weeping for
Her own true love
As I shall weep for mine

Oh come ye back
My own true love
And stay a while with me
If I had a friend
All on this earth
You’ve been a friend to me

Não é o vídeo da música, mas achei uma interpretação bonita...